Mesmo quando há crescimento econômico, saneamento é deixado de lado

06/11/2017 16:58
6 de novembro saneamento Veja.png

Crédito: foto - Veja

Mesmo quando há crescimento econômico, saneamento é deixado de lado

Estudo mostra que aumento da renda média nos países em desenvolvimento não foi suficiente para impulsionar o acesso a serviços básicos

É uma equação que não fecha. Conforme a renda aumenta nos países em desenvolvimento, o acesso a serviços básicos como água e saneamento, eletricidade, energia limpa para cozinhar,  não acompanha esse crescimento. O descompasso gera uma maior desigualdade e mostra que o investimento em infraestrutura, muitas vezes é deixado para segundo plano.

Foi o que constatou um estudo publicado na revista Environmental Research Letters. “Observamos que o crescimento da renda sozinho não é suficiente para impulsionar o acesso de toda a população a serviços básicos”, explica Narasimha D. Rao, pesquisador do Instituto Internacional de Análise de Sistemas Aplicados (IIASA) que liderou o estudo.

Ao analisar dados históricos de acesso aos serviços básicos e evolução do PIB, a equipe de pesquisadores descobriu que o acesso à energia limpa para cozinhar e o saneamento ficavam ainda mais atrás que outras necessidades básicas como a eletricidade e água, uma constatação que tem impacto especial sobre membros mais pobres da sociedade e especialmente sobre as mulheres.

“ As mulheres são as que sofrem riscos maiores, pois são elas que cozinham com combustíveis poluentes inadequados. A falta de saneamento também tem mais impacto nas mulheres, pois são elas, quase na totalidade dos casos, as responsáveis pela cozinha e trabalho doméstico”, explica a pesquisadora do IIASA Shonali Pachauri, que também contribuiu para o estudo.

Saneamento para todos

Os objetivos de desenvolvimento sustentável das Nações Unidas (SDGs) visam o acesso universal à energia, água e saneamento até 2030. Para alcançar esses objetivos, o estudo mostra, que a África Subsaariana, em particular, teria que ver taxas sem precedentes de melhoria em comparação com as tendências históricas da região.

O estudo destaca o desafio de alcançar o SDGs, mas também aponta para direções de política públicas que poderiam ajudar. “Para alcançar os objetivos estabelecidos nos SDGs, autoridades políticas devem olhar a sinergia e as dependências entre os diferentes objetivos para encontrar maneiras de combinar os esforços em todos os setores para construir infraestrutura”, diz Rao. (com informações do IIASA)

PARTICIPE DO FÓRUM ALTERNATIVO MUNDIAL DA ÁGUA – FAMA 2018

O FAMA 2018 – Fórum Alternativo Mundial da Água – será realizado em março do próximo ano, em Brasília. Será um grande encontro com o objetivo de unificar internacionalmente a luta contra a tentativa das grandes corporações de se apropriarem de reservas e fontes naturais de água e de outros serviços públicos. O  FAMA se organiza em contraposição ao Fórum das Corporações – autodenominado 8º Fórum Mundial da Água.

. Leia o Manifesto do FAMA e o Chamamento aos Povos
. Participe com suas ideias para a construção do FAMA
. Acompanhe
Agenda de eventos e atividades
.
Conheça aqui as entidades que integram a Coordenação Nacional do FAMA


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!